Remedios para dormir – Veja a lista dos melhores e mais eficazes

Remedios para dormir – Veja a lista dos melhores e mais eficazes

As pílulas para dormir não são novidade: vários séculos atrás, infusões de várias ervas já eram utilizadas para induzir o sono. No princípio do Século XX, surgiram os barbitúricos e, por volta da década de 1960, foram lançados os benzodiazepínicos.

Os remédios para dormir mais modernos não carregam os mesmos riscos de dependência e overdose letal que as pílulas do passado. Mas o risco existe, especialmente em pessoas portadoras de doenças no fígado ou nos rins.

De um modo geral, as pílulas para dormir podem ser divididas em 5 categorias principais: (1) medicamentos de venda não-controlada, (2) hipnóticos não-benzodiazepínicos, (3) hipnóticos benzodiazepínicos, (4) antidepressivos sedativos, e (5) suplementos nutricionais.

Medicamentos de venda não-controlada

Existem vários medicamentos capazes de induzir o sono, desde descongestionantes nasais até remédios para urticária, que podem ser comprados sem necessidade de receita médica.

Em sua maioria, estes remédios podem causar sensação de boca seca e vertigens prolongadas, e não são considerados seguros para gestantes ou mulheres em fase de aleitamento.

Como ocorre com qualquer outra droga de efeito sedativo, estes remédios não devem ser tomados por pessoas que dirigem, operam máquinas pesadas ou equipamentos de corte.

Hipnóticos não-benzodiazepínicos

Estes remédios são uma das classes mais novas de pílulas para dormir. Eles atuam acalmando o sistema nervoso, o que por sua vez induz o sono. Por serem metabolizados rapidamente, o risco de sonolência no dia seguinte é menor.

Os principais representantes desta classe de soníferos incluem tartrato de zolpidem, zaleplon e eszopiclone. Apesar de eficazes em produzir um sono de qualidade, estas drogas de nomes estranhos podem causar diversos efeitos colaterais, tais como sensação de boca seca, vertigens, reações alérgicas severas, sonambulismo, cólicas abdominais, dor de cabeça, náuseas, vômitos e redução do apetite sexual.

Os hipnóticos não-benzodiazepínicos não são considerados seguros em gestantes, mulheres em fase de aleitamento, pessoas com história de depressão, alcoolismo, doenças respiratórias ou problemas no fígado ou nos rins.

Hipnóticos Benzodiazepínicos

São a classe mais antiga de pílulas para dormir. Causam mais efeitos colaterais no dia seguinte que os soníferos mais modernos e possuem um risco maior de dependência.

Outros efeitos adversos relativamente comuns incluem intolerância à claridade, vertigens, euforia, episódios de amnésia, diarréia, náuseas, sonambulismo e turvamento da visão.

Assim como outros soníferos, os hipnóticos benzodiazepínicos não devem ser utilizados por gestantes, mulheres em fase de aleitamento, ou pessoas com história de dependência de drogas, depressão ou doenças respiratórias. O uso em pessoas mais velhas deve ser feito com cautela, e os remédios jamais devem ser suspensos de uma só vez.

Antidepressivos sedativos

Alguns remédios utilizados no tratamento da depressão (p.ex: trazodona, amitriptilina, nortriptilina) podem aliviar a insônia quanto tomados em pequenas doses.

Os efeitos colaterais mais comuns destas medicações incluem suores, constipação intestinal, diarréia, náuseas, dores de cabeça, vertigens e visão turva.

Os antidepressivos sedativos não são considerados seguros para gestantes e pessoas com história de problemas cardíacos ou pressão alta.

Suplementos dietéticos

Como a maioria das drogas soníferas possui uma série de limitações e efeitos colaterais indesejáveis, os cientistas procuraram desenvolver suplementos menos nocivos capazes de produzir os mesmos efeitos. Um dos mais populares é um hormônio chamado Melatonina.

A melatonina atua regulando o relógio interno do corpo, provocando sono. Infelizmente, este hormônio ainda não foi completamente estudado e acredita-se que alguns efeitos colaterais podem ocorrer, tais como vertigens, dores de cabeça e azia.

Outros suplementos naturais (p.ex.: valeriana, camomila, lúpulo, etc) se mostraram eficazes em estudos iniciais, mas muitos pesquisadores afirmam que ainda é cedo para tirar conclusões sobre sua eficácia, e mais testes serão necessários para determinar seu papel no tratamento da insônia.

Tomando remédios para dormir

Se, apesar de todas as modificações nos seus hábitos, você ainda não conseguiu ter aquela boa noite de sono, as pílulas para dormir podem ser a única saída.

Para utilizá-las com segurança, você deve obedecer algumas regras simples:

  • Converse com seu médico. Jamais tome pílulas para dormir por conta própria. Seu médico é a única pessoa capacitada para selecionar o medicamento e a dose mais adequada para você.
  • Avance um dia de cada vez, encarando as pílulas para dormir como uma solução apenas temporária para a insônia.
  • Não consuma bebidas alcoólicas. Jamais misture álcool e soníferos. O álcool potencializa o efeito sedativo das pílulas, aumentando o risco de perda da consciência.
  • Pare devagar. Assim que você achar que chegou a hora de parar com as pílulas, procure novamente seu médico e siga as recomendações dele. Alguns soníferos devem ser suspensos pouco a pouco para evitar o risco de sintomas de abstinência.
  • Cuidado com os efeitos colaterais. Se você estiver sentindo sonolência ou vertigens durante o dia, converse com seu médico sobre a dosagem do medicamento ou se é possível interrompê-lo.
  • Todo mundo merece uma boa noite de sono. Se o remédio escolhido inicialmente não estiver cumprindo o prometido, consulte seu médico.

Dicas uteis para uma noite de sono melhor

TEMPERATURA
Escolha a ideal

Um erro muito comum é aquecer demasiado o quarto: a temperatura ideal situa-se entre os 18 e os 21ºC (se puser um termómetro no quarto, vai reparar que é bastante menos do que está habituada).  Não conseguimos dormir com frio: no Inverno, um saco de água quente pode ajudar a adormecer. Mas o principal inimigo do sono é o calor: o corpo baixa a temperatura para conseguir adormecer. No Verão, curiosamente, mantenha o banho quente: é que, a seguir ao banho, o organismo baixa a temperatura e fica mais fresco, tornando mais fácil o adormecimento.

Plantas
Dê-lhes bom uso

Encontra valeriana em cápsulas nas lojas de produtos naturais, mas pode ser difícil encontrar a dose certa, e há pessoas insensíveis aos seus efeitos. E é preciso esperar um mês até sentir os seus benefícios. Aconselhe-se com um naturopata.

AÇÚCARES LENTOS
Atenção: lentos…

Por açúcares lentos entende-se por exemplo cereais integrais, que têm um efeito calmante e aumentam o nível de serotonina, um dos responsáveis pela sensação de bem-estar. Pão com sementes de sésamo, massa e arroz são boas opções. Não coma muita carne: a digestão das proteínas aumenta a temperatura corporal, quando o importante é que baixe.

RITUAIS
Um livro em vez do leite

Sim, o leite é um calmante natural, mas também é um diurético natural. É mais provável que a mantenha acordada do que a dormir. Se adora leite, coma uma taça com aveia ou muesli. Na cama, abra o seu livro preferido.

ALMOFADA
Não dorme? Levante-se

Se acordou a meio da noite e está tão desperta como ao meio-dia, não tente forçar-se a dormir. Levante-se e leia um livro. Quando começar a sentir sono, volte para a cama. Não entre em stresse: pense que, se o pior acontecer, um dia com sono não é tão grave assim, e que vai recuperar no dia seguinte.

ÓLEOS ESSENCIAIS
Bem-estar a conta-gotas

Não vão pô-la a ressonar instantaneamente, mas ajudam a criar um ambiente de relaxamento, e cheiram tão bem! Experimente massajar uma gota nos pulsos, usar no banho, vaporizar na almofada ou queimar num queimador.  Os melhores para relaxar são os óleos de neroli e lavanda. Atenção que devem ser naturais e puros. Evite se estiver grávida.

CONTRASTE
Diferencie o dia da noite

Vivemos em luzes e ambientes estranhos e o nosso relógio biológico pode ficar confuso: apanhe sol de manhã e baixe as luzes à noite, para o ajudar a regular-se. Vá dar um passeio à hora de almoço e tente não voltar muito tarde para casa. O ideal seria esquecer os ecrãs à noite: emitem luz branca, que mantém o organismo desperto.

REIS DO MAGNÉSIO
Descubra-os

Evite as refeições muito pesadas antes de dormir. Mas se fica com fome antes de ir para a cama, pode fazer um snack rico em magnésio, outro calmante natural: iogurte com amêndoas e passas, ou papa de aveia com banana. O chocolate também é rico em magnésio, mas coma-o só até às 17h: também é excitante..

FRUTAS E LEGUMES
Coza-os e coma-os

As frutas são mais fáceis de digerir se forem cozidas, mas evite as compotas com muito açúcar, que é um excitante natural.
Maçã com frutos secos e uma colher de mel ajuda a adormecer, mas o organismo pode acelerar ligeiramente por causa da digestão do açúcar e provocar azia mesmo à hora de deitar. Experimente uma tosta com fruta ou uma bolacha integral com doce sem açúcar.

CHÁ
Evite antes de dormir

Antes de dormir, esqueça o álcool: suprime a fase REM do sono (a dos sonhos), o que provoca um sono mais agitado. Se tem mesmo sede, beba… água. Algumas pessoas dão-se bem com um chá de camomila ou hipericão, mas se o beber mesmo antes de dormir, vai passar a noite a caminho da casa de banho.